<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15480620\x26blogName\x3dougado\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ougado.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3den_GB\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ougado.blogspot.com/\x26vt\x3d-571278826637307540', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

liberdade

Wednesday, April 26, 2006
ontem, enquanto descia a Avenida da Liberdade pelo corredor central, no final de uma corrida de 10 km, e o carro de apoio tocava o "Grândola" (era a Corrida da Liberdade), emocionei-me. Pode ter sido do cansaço, ou do calor, mas o facto é que me emocionei.

4:38:43

Sunday, April 16, 2006
it was hard and painful, but I was able to complete my first marathon. Tired and sore. Chuffed. Very.

Stats:

Position: 183 out of 194 that finished
5km: 0:31:25
10km: 1:03:15
15km: 1:36:44
1/2 marathon: 2:18:30
25km: 2:45:24
30km: 3:17:18
35km: 3:49:18
40km: 4:23:31

quase

Thursday, April 13, 2006
Faltam só 3 dias para a Maratona. Hoje corri pela última vez antes do grande dia. Consegui respeitar mais ou menos o treino que tinha alinhavado. A parte mais difícil foi descansar. Frequentemente dormi mal (trabalho, filho) o que afectou a "qualidade" das corridas. E estou nervoso, claro. Foram 4 meses de treino e não sei se vou conseguir acabar. Vamos ver.

esgotou

Wednesday, April 12, 2006
toda a gente (em maior ou menor medida) tem idiossincrasias, defeitos, momentos de mau feitio, dificuldades de expressão ou comunicação. Colectivamente, quando aplicado a mim, são as minhas "merdas".

Eu tenho bué.

Isto a propósito de algo que me disseram hoje que me entristeceu. Foi algo como: "a minha paciência [para aturar as minhas "merdas"] esgotou".

Como é habitual, não fui capaz de interpretar o alcance exacto da afirmação.

Foi um desabafo?
Foi um ultimato?
Foi um ponto final?

Sem prejuízo da interpretação correcta, parece-me evidente que a coisa não corre bem. Perder a paciência é dizer que não se vai fazer esforço. Não fazer esforço significa not care.

O que é que eu fiz para suscitar esta reacção?

Não sei se fui de facto um idiota ou se simplesmente li mal a situação.

Hoje uma outra pessoa (isto hoje foi relationship day!) disse-me que a minha relação com a pessoa que me disse que tinha perdido a paciência era doentia. Que nos zangávamos por razões ridículas, como se fôssemos namorados (que não somos). Se calhar tem razão e toda esta conversa é imbecil.

Qual é o objectivo desta auto-análise (simplista?)?

O mesmo que tem este blog. Obrigar-me a pensar nas coisas. Nunca chego a lado nenhum, mas sinto que conheço um bocadinho mais sobre mim.

Blogstory

Tuesday, April 11, 2006
My chapter of the great blog story has been uploaded and is available here.

barbéc

Monday, April 03, 2006
Este fim-de-semana inaugurei a "barbéc season". Confesso que sou adepto da prática. Gosto de cozinhar e de organizar eventos e adoro a versão "terceiro mundo" do churrasco. Refiro-me àqueles churrascos que duram o dia todo, em que se bebe 50 cervejas, e se perde a noçao do tempo.

O deste fds foi estranho. Era uma festa surpresa para um tio (fazia 55 anos) no terraço de um prédio em Lisboa. Muito urbano (mas o terraço tem uma vista inacreditável, Castelo, rio, ponte, baixa, it just goes on and on) e estava um sol fantástico.

A carne (directa do monte de um primo produtor) estava fantástica. Fiasco foi a bebida. Os vinhos erão uma vergonha (pronto, confesso que sou um bocado difícil neste departamento). Solução simples: whisky com gelo e água. O problema é que ao terceiro um gajo acha que não vale a pena perder tempo com a água e tudo descamba. Sol a bater na cabeça e vários whiskies depois, a moca era total. Como o evento envolvia bébés, tios avós e bisavós, foi giro.

O próximo deverá ser no Minho.