<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d15480620\x26blogName\x3dougado\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://ougado.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3den_GB\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://ougado.blogspot.com/\x26vt\x3d-571278826637307540', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

bereavement

Tuesday, June 27, 2006
Recebi recentemente um e-mail de alguém com quem não falava há cerca de um ano. Entre outras coisas o e-mail relatava um drama familiar recente. Tive oportunidade de fazer o que não é possível fazer ao vivo: pensar e responder com calma, medindo as palavras. Gostava de conseguir dizer "the right thing" espontaneamente, mas geralmente sou um desastre.

Porque gosto de ti? (discurso directo)

Wednesday, June 14, 2006
É algo em que penso de vez em quando. O tema tem dois níveis (como quase tudo para mim, sou obcecado com a ideia de texto e de sub-texto). O primeiro, aquele que está à mão de semear, aquele que me parece evidente, inquestionável, é o seguinte: gosto de ti (i) por causa do teu rabinho maravilha e (ii) por causa da tua cara quando estás entusiasmada, os teus olhos brilham e toda a tua cara parece iluminada.

Mas estas razões - verdadeiras - são apenas o aspecto mais visível, mais fácil.

Eu também gosto de ti por causa das coisas que me dizes. Criticas-me sem hesitação (com razão, sou frequentemente pedante, moralista e conservador). E gozas comigo. Mas também dizes bem de mim, e mimas-me. E não pareces hesitar: dizes mal e bem de mim de forma espontânea, sem medo. A maioria das pessoas tem "medo" de mim: por causa do meu mau feitio, da minha ocasional agressividade, por pudor. Tu nunca tiveste.

Anteontem disseste-me que estavas há algum para me dizer uma coisa e que não me dizias essa coisa por teres vergonha. E ontem disseste-me que era um elogio, que não me ias dizer agora (então) e que me dirias depois. Estranho, porque não te imagino a não dizeres o que te passa pela cabeça.

Não tens memória (para as coisas pouco importantes) e és distraída. Para alguém como eu: obsessivo, organizado, intenso e anal-retentive, as coisas às vezes são difíceis. Mas a tua espontaneidade - surpreendida quando te telefono quando te disse que te ia telefonar, por exemplo - "desmonta-me" sempre.

E amo a forma como parece que não tens superego. Dizes e fazes as coisas mais inacreditáveis à minha frente. Desde confissões a actividades mictórias. Nunca, nunca, nunca conheci alguém como tu. E dizes sempre que és tímida. E comportas-te como uma princesa: queres atenção, vassalagem, presentes e mimo.

Há outras razões. Mas estas são as que me ocorrem agora.

Blogueshistória

Friday, June 09, 2006
Agora em português.